Meditações Sobre o Budismo | Sua História e Filosofias


Bem vindos a mais um post do Afinando a Mente. Hoje vou introduzir um pouco do mundo budista. Vou falar sobre a história de Buda, que é super interessante, e como sua filosofia chega nos dias de hoje.

Esse é o primeiro de 3 posts, que vão falar sobre a meditação e o Budismo. No próximo vou falar sobre o Budismo nos dias de hoje e o último podcast será sobre 4 técnicas de meditações budistas e como você pode praticar cada uma delas. 

Então vamos agora entender o “porquê” e “para que” os budistas meditam.

Pra começar do começo, vamos nos situar na história daquele que chamam de Buda histórico, o Shakyamuni Buda, também conhecido como Siddharta Gautama.

Siddharta Gautama

Siddharta Gautama em meditação

Tudo começa no Nordeste da Índia, na fronteira com o Nepal. Ele nasceu em Lumbini, Nepal, acredita-se que em 566 a.c., e ficou até seus 29 anos no pequeno reino de seu pai, o rei Suddhodana, em Kapilavastu, que era dividido pelos 2 países 

A título de curiosidade, o pai de Sidarta era líder do clã Shakya. É daí que vem o nome Shakyamuni Buda… que significa, O Iluminado do clã Shakya.

Quando Sidarta nasceu, um eremita de muito renome na época, foi prestigiar o nascimento e profetizou que a criança seria ou um rei muito poderoso ou um homem santo. O pai obviamente quis que ele fosse rei para manter o poder na família e, por isso, durante toda sua vida, Sidarta só tinha tudo do bom e do melhor e seu pai nunca o deixou sair do palácio.

Até que um belo dia ele convence o pai que quer sair do palácio para ver o mundo, o pai aceita, mas tudo que era considerado feio e doloroso tinha sido escondido a mando dele. Apesar dos esforços, Sidarta acabou mesmo assim vendo uma pessoa idosa quase morrendo e ficou chocado, querendo saber mais, ele fugiu com a ajuda do seu cocheiro e descobriu uma pessoa doente, um corpo em decomposição e um asceta. Estas visões que ele teve deixaram ele bem deprimido, as marcas foram bem profundas, o suficiente para que ele tivesse motivos para buscar a superação da doença, da velhice e da morte através do ascetismo.

Em Busca de Respostas

Durante sua busca pela cura do sofrimento na terra ele chegou a estudar com alguns dos grandes mestres na Índia, e acabava sempre se destacando entre os discípulos, até que, insatisfeito com a vida de contemplação, ele juntou alguns seguidores que estavam impressionados com suas habilidades e com o que ele falava e seguiu seu próprio caminho.

Certo momento nessa caminhada, Sidarta decidiu se alimentar apenas de um grão de arroz por dia e beber apenas a água da chuva que caía sobre ele e seus seguidores fizeram o mesmo. Até que um dia ele foi se banhar no rio e quase morreu afogado, foi aí que ele entendeu que esse caminho extremo era errado e ele podia ter morrido sem ter descoberto como superar os sofrimentos na terra. 

Sidarta Gautama meditando

Nessa ocasião ele tava tão magro que uma mulher viu ele meditando e achou que era um fantasma. Só que naquela época e naquela cultura, ela entendeu que ela podia fazer um desejo pra ele e assim entregou uma tigela de arroz e, para surpresa de seus seguidores, Sidarta aceitou. Depois de ver isso seus seguidores acharam que ele tinha desistido e se rendido às tentações desse mundo e acabaram abandonando ele.

Nisso ele seguiu seu caminho sozinho até que decidiu sentar debaixo de uma Figueira e meditar até que ele tivesse encontrado as respostas para o sofrimento universal. Após 49 dias, ou seja, 7 semanas, de ser tentado pelo demônio Mara com mulheres, guerra, poder, conforto e riquezas, que aqui a gente pode entender Mara como nossa própria mente, ele se iluminou e alcançou o Nirvana, tornando-se assim o Buda.

Nos próximos 45 anos da sua vida ele percorreu a Índia ensinando suas doutrinas, morrendo com 80 anos idade.


Iluminação

Agora você pode estar pensando… Será que só ele meditou e se iluminou, mas ninguém fez isso? Se teve outras pessoas que se iluminaram, porque Sidarta é o Buda que todo mundo venera?

Na verdade, é reconhecido no budismo que muitos, antes e depois de Buda, se iluminaram através de práticas meditativas, mas ninguém antes se dedicou como ele aos ensinamentos do Dharma, o caminho para iluminação. Por isso esse Buddha foi considerado “o grande mestre”.

Tem até um nome para muitos desses budas solitários que se iluminaram mas não passaram adiante seu conhecimento, eles são chamados Pacceka Buddhas

Outra grande diferença entre o Shakyamuni Buddha e outros seres que se iluminaram, foi que ele descobriu seu caminho sozinho, sem um mestre. Todos os discípulos dele que conseguiram chegar a iluminação também são budas, mas o peso dentro da tradição é menor.

O que na verdade é de certa forma contraditório, porque é dito que ele falou aos seus discípulos que não era para construir nenhuma estátua dele e ele não deveria ser venerado, mas sim o próprio Dharma.

Outros Seres Iluminados

Além de Shakyamuni Buddha, existe o Maitreya que será um buda no futuro. É dito que Shakyamuni falou para seus discípulos que quando o mundo tivesse esquecido todos seus ensinamentos, Maitreya surgiria para tirar todos da escuridão.

Tem também o Amitabha Buddha, criador do paraíso da Terra Pura, o Padmasambhava, aquele que instalou o budismo no Tibet e é considerado por eles como o segundo buda, e o Avalokitesvara, o bodhisattva da compaixão, também conhecido na China em sua forma feminina como Kuan yin e no budismo tibetano eles acreditam que a linhagem dos Dalai Lamas são a sua reencarnação.

Tem um ponto nisso tudo que é interessante. No budismo não existe a crença num Deus pessoal, eles acreditam que nada é fixo ou permanente e que a mudança é sempre possível. Para eles o caminho para iluminação é através da prática e desenvolvimento da moralidade, da meditação e da sabedoria. Por isso, por muitos, o budismo é considerado mais uma filosofia do que uma religião.

Bom, agora que vocês já sabem da história do budismo, vamos entender um pouco sobre suas filosofias.


Filosofias Budistas

Fazendo uma comparação bem simples. No cristianismo tem os 10 mandamentos… não matarás, não roubarás, adorará a deus acima de todos… no budismo seria … meditarás.

Brincadeira. É um pouco mais complexo que só meditação, apesar de ser a prática principal dessa Filosofia \ Religião.

Comum a todos as linhas do Budismo estão as 4 Nobres Verdades, o Caminho Óctuplo e as 3 jóias.

4 Nobres Verdades

As 4 Nobres Verdades do Budismo são ensinamentos que traduzem o que o Buddha aprendeu para vencer o sofrimento em vida… Elas são:

  • A vida leva ao sofrimento.
  • O sofrimento é causado pelo desejo.
  • O sofrimento acaba quando acaba o desejo.
  • O estado de iluminação é alcançado pelos caminhos de Buda.

Caminho Óctuplo

Os 8 caminhos de Buda, ou também conhecido como Nobre Caminho Óctuplo, são:

A roda do dharma
A Roda do Dharma
  • Compreensão correta
  • Pensamento correto
  • Fala correta 
  • Ação correta
  • Meio de vida correto
  • Esforço correto
  • Consciência correta
  • Concentração correta

Essa ideia do caminho correto, vem da passagem da vida do Shakyamuni Buda onde ele entende o caminho do meio, após quase morrer ao fazer uma prática muito extrema.

É legal deixar claro que o caminho do meio e o controle do desejo se traduzem em ter um equilíbrio na vida e em suas escolhas, ou seja, você pode ter um carro, casa, ir viajar e tudo mais, mas você precisa de um carro do ano ou uma mansão que você nunca vai usar todos os quartos? O que você REALMENTE precisa?

As 3 Jóias Budistas

Esses caminhos de Buda são chamados de Dharma, ele é uma das 3 jóias, as outras são, o próprio Buda iluminado e a Sangha, que significa, a comunidade budista.


Com tudo isso espero que tenha dado para entender o porque os budistas consideram a meditação tão importante no seu dia a dia e entender também, tudo o que tem por trás daquela imagem pré concebida que temos na nossa cabeça, do monge careca sentado em meditação.

No próximo post vou falar de como é o budismo hoje em dia. Vou falar das suas escolas atuais, explicando cada uma delas, vou falar também de budistas famosos e de templos acessíveis que você pode visitar aqui no Brasil.

Agradeço demais sua presença aqui e espero você no próximo post.

Lauro Nieblas
Lauro Nieblas


Terapeuta sonoro, fundador do Espaço Terapêutico Sama, praticante de meditação e professor de yoga em formação.
.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *